13 de fev de 2013

Resenha: O Remédio Maravilhoso de Jorge – Roald Dahl

Roald Dahl (1916 - 1990) é um autor fantástico! Escreve para todos os públicos de forma simples, sem se perder nos detalhes que às vezes não são importantes.

Li em poucas horas O Remédio Maravilhoso de Jorge (Editora 34, 228 páginas), que conta a história sobre um dia em que a mãe do menino precisa sair e o deixa cuidando da avó. A mãe faz várias recomendações e principalmente fala para que ele não se esqueça de dar o remédio a ela.

Acontece que a avó de Jorge é muito, muito rabugenta. Tanto que até lembra uma bruxa, daquelas bem cruéis.

Então Jorge se lembra do remédio e para o que remédios normalmente servem: deixar as pessoas melhores! Por isso resolve trocar o receitado pelo médico e dar à avó um que ele mesmo criaria. Vai até o banheiro, onde a mãe guarda seus remédios, e coloca dentro de uma panela tudo o que encontra por ali. Tudo mesmo, até creme dental e esmalte de unhas! Ficará incrível!

Enquanto isso a avó pergunta se o neto não tinha perdido a hora de dar o seu remédio. E Jorge corre para lá e para cá em busca de mais e mais ingredientes que pode colocar em sua fórmula e fazer a avó ser uma pessoa melhor.

Um pouco de detergente superbranco para máquinas de lavar automáticas, graxa marrom, quem sabe. No depósito encontra outros materiais e seu preparo vai se tornando cada vez mais rico e a panela cada vez mais pesada.

Quase tudo pronto, só falta ferver enquanto a avó reclama, suspeitando que ele estivesse a aprontar algo. Imagina! Jorge só quer vê-la melhor.

Ao dar o remédio à avó, percebe que a reação não foi a esperada! Imagine sua avó de repente, ali no meio da sala, crescendo e crescendo bem na sua frente, atravessando o telhado! Bem, algo deu muito errado – ou muito certo – no invento do menino.

Roald Dahl, autor de Matilda, A Fantástica Fábrica de Chocolate, As Bruxas, entre muitos outros títulos, é um dos meus escritores favoritos, e em O Remédio Maravilhoso de Jorge mostra que nada é absurdo em literatura. Tudo pode acontecer nas histórias. Inclusive a avó tomar uma mistura que o neto faz e acaba por ficar gigante. Essa é a liberdade que a escrita proporciona. É o exagero fantástico sobre a visão infantil. Jorge queria o bem da avó, ele a amava, mas ela não era uma boa pessoa, então porque não tentar torná-la melhor ao invés de abandoná-la? Leia e divirta-se.

*****
Editora: Editora 34
ISBN: 8585490675
Ano: 1995
Páginas: 128
Ilustrações: Quentin Blake
Tradutor: Angela Mariani

2 comentários:

  1. Priscilla R. Dutra15/03/2013 10:44

    Poxa, um adulto burro como eu pensa que Jorge acabaria matando a avó com essa receita hahaah O autor ter escrito a Fantástica Fábrica de Chocolate já é um grande chamado... aiai tantos livros -.-

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hehehehe, esses livros do Roald Dahl são fáceis de encontrar na biblioteca =)

      Excluir

Obrigada por dividir sua opinião. Ela é muito importante para o crescimento do blog e de seus leitores.