14 de dez de 2012

Resenha: Roverandom - J. R. R. Tolkien

Roverandom (Martins Fontes, 127 páginas, R$44,60) foi mais um livro que me chamou. Estava lendo Simbad, o Marujo quando olhei para a estante e Tolkien piscou para mim. Como não gosto de deixar um livro triste, pedi licença para Simbad, o peguei e li. É uma linda e triste história sobre um cachorrinho com sua bola amarela que morde a calça de um mago e, com raiva esse mago o transforma em um brinquedo pequeno e com cara de pidão.

O feitiço jogado pelo mago funcionava da seguinte forma: durante o dia ele é um brinquedo, mas à noite pode se mexer e criar vida.

Rover é seu nome e mora com uma senhora que ele adora, mas quando é transformado vai morar em uma loja de brinquedos, onde é comprado e levado para um menino, tratado na história como menino Dois.

 "E para que você quer se mexer? - perguntaram os outros brinquedos. - Nós não queremos. É mais confortável ficar parado sem pensar em nada".

Essa história foi escrita por J. R. R. Tolkien (1892 - 1973) - autor de O Hobbit, O Senhor dos Anéis, O Silmarillion e outras obras -, em 1925 e publicada somente em 1998, para seu filho Michael que perdeu seu cãozinho de brinquedo que tanto amava.

E como seu nome passou de Rover para Roverandom? Simples, quando a mãe entregou o cãozinho o menino Dois resolveu sair com os irmãos e levar o brinquedo que caiu do bolso se perdeu na areia da praia. Depois de muito esforço Rover consegue se mexer e encontra o feiticeiro-da-areia, que fica ali, deitado sob a areia, somente com a ponta das orelhas para fora, e não gosta de ser incomodado.

Apesar de pedir para voltar ao tamanho normal, o feiticeiro nada pode fazer, pois o feitiço foi feito por outro e não seria ético mudar. Mas diz que pode tentar mandá-lo junto com Mew (note que na capa há Mew e em cima dela o pequeno Rover), uma gaivota, para a casa de sua dona.

Eles vão até a lua e Rover fica por lá e conhece outro Rover, e dessa forma o Homem-da-lua passa a chamá-lo de Roverandom, pois seu cão é mais antigo que o nosso Rover. E assim aventuras acontecem. Eles encontram um dragão, aranhas... Depois o cãozinho vai morar no fundo do mar e passa por mais descobertas e apuros, parece que ele não se dá bem em lugar nenhum, ou melhor, apenas em um.

Foi um livro que me chamou e curti bastante, o final é incrível. É uma linda história, escrita de forma bem simples, para ajudar uma criança que perdeu seu brinquedo especial. O bacana é que em Roverandom há uma citação de Simbad, o Marujo, logo que terminei a leitura voltei correndo para este livro.

Primeiro parágrafo
"Era uma vez um cãozinho que se chamava Rover. Era muito pequeno e muito novinho, senão teria sido mais atento. E estava muito feliz brincando ao sol no jardim com uma bola amarela, senão não teria feito o que fez".

*****
Recomendado
Editora: Martins Fontes
ISBN: 8533616872
Ano: 2003
Páginas: 127
Skoob
*****

8 comentários:

  1. Sou louca para ler esse livro!! Deve ser uma fantasia emocionante. Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bem simples, cativante. Curti bastante, acho que vc também vai ^.^

      Excluir
  2. Sou suspeito para comentar, amo fantasia. E não conhecia o livro - me matem -, porém gostei muito do que li aqui na resenha. Sem dúvida que lerei!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Existem muitos livros que não conhecemos, então não tenho que matá-lo, mas vá ler! hihihi

      Excluir
  3. Oi Celly

    Não conhecia esse título do autor, fiquei com muita vontade de ler. Adorei o nome dele Roverandom :)

    ResponderExcluir
  4. Que lindo! Deve ser uma narrativa muito bonita, mesmo. Fiquei imaginando as cenas! Acredito que este será um dos (poucos, bem poucos, rs) livros que comprarei no próximo ano para as meninas (e para mim =P)! Obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, acho que vocês vão curtir bastante! Vale a pena o investimento hihihi

      Excluir

Obrigada por dividir sua opinião. Ela é muito importante para o crescimento do blog e de seus leitores.